Polícia Civil apreende três mil testes rápidos de Covid-19 desviados do Amazoas

PCRR (Polícia Civil de Roraima), por meio do GRT (Grupo de Resposta Tática), inseridos na Operação Hórus, apreendeu neste final de semana, mais de três mil testes rápidos para detecção da Covid-19. Os testes foram encontrados pelos policiais em um furgão que vinha do Amazonas, durante uma fiscalização no Posto do Jundiá.

De acordo com o titular da DRCAP (Delegacia de Repressão aos Crimes Contra Administração Pública), Magnólia Soares, a apreensão ocorreu na sexta-feira, dia 21, quando os agentes de polícia desconfiaram da carga, após solicitarem a nota fiscal.

“O motorista não apresentou a nota à equipe e afirmou não ter passado pela fiscalização no posto da Sefaz (Secretaria de Estado da Fazenda). Os policiais então, conduziram o motorista e o carro até o posto”, contou Magnólia Soares.

De acordo com a delegada, o motorista relatou que a carga era uma doação da Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas para a Sesau (Secretaria de Saúde) de Roraima.

“Mas, ao ser feita a verificação com a Sesau, foi constatado que o Estado não tinha conhecimento dessa doação. Houve, então, uma autuação pela Sefaz e a carga ficou retida”, afirmou.

No dia seguinte, sábado, dia 22, o pagamento de uma guia de imposto referente ao material chamou a atenção dos policiais. “Um empresário fez o recolhimento do imposto no valor de R$ 94 mil, no sábado, e a carga foi liberada. Quando nós tomamos conhecimento dessa liberação, empreendemos novas diligências e conseguimos reter novamente a mercadoria já aqui em Boa Vista, com apoio da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e do Núcleo de Inteligência da Polícia Civil”, relatou Magnólia Soares, frisando que todos os envolvidos foram encaminhados para a Central de Flagrantes.

A desconfiança, segundo a delegada, era que o material poderia ter sido desviado. “Novas diligências foram realizadas na manhã desta segunda-feira, dia 24, onde restou comprovado que o material apreendido na verdade se trata de três mil testes para detecção da Covid-19, oriundos da rede pública do Estado do Amazonas, este foi desviado e, provavelmente, seria vendido para clínicas ou laboratórios particulares aqui de Roraima”, disse a delegada.

PRÓXIMOS PASSOS

Conforme a titular da DRCAP, com a identificação da origem dos testes e a confirmação do desvio do material, foi feito o contato com o Amazonas para devolução da mercadoria à rede pública.

“Além disso, por aqui vamos dar continuidade nas investigações para apurar o crime fiscal e, no Amazonas, também será investigado o possível crime de peculato com a possível participação de um empresário aqui de Roraima”, conclui Magnólia Soares.

Escrito por ASCOM/PCRR