Dez municípios apresentam alto risco para doenças relacionadas ao mosquito

Assim como vem ocorrendo nos demais estados do País, Roraima também está em alerta para um possível aumento de casos de Dengue, Chikungunya e Zika. Dos 15 municípios do estado, 10 apresentaram alto risco para o Aedes Aegypti, conforme aponta o 2º Levantamento Rápido de Índice para o Aedes aegypti (LIRAa).

Conforme os dados, Iracema é o município com maior percentual de infestação para o mosquito, com 12,6%; seguido do Cantá, com 9,1%; Alto Alegre, com 8,1%; Pacaraima, com 7,7%; Mucajaí, com 7,3%; Caroebe, com 6,9%; Boa Vista, com 5,0%; São Luiz, com 4,9%; São João da Baliza, com 4,8%; e Normandia, com 4,7%.

O LIRAa apontou ainda médio risco de Aedes para os municípios de Caracaraí, com 3,9%; Amajari, com 3,5%; Rorainópolis, com 3,1%; Bonfim, com 1,7%; e Uiramutã, com 1,0%.

“Esses municípios precisam intensificar as atividades de visitas domiciliares e orientação à população para eliminação de qualquer depósito que possa servir de criadouros para proliferação do mosquito”, destacou Rosângela Santos, gerente do Núcleo Estadual de Controle da Febre Amarela e Dengue.

Além da preocupação com aumento no número de casos, o Estado também está atento a possíveis casos que possam agravar e ir a óbito. Atualmente, uma morte suspeita por dengue em Boa Vista está sob investigação, mas medidas de bloqueio e controle da doença já foram iniciadas.

“O município de Boa Vista tem várias ações que estão em curso, como o bloqueio e a visita domiciliar intensificadas na região onde ocorreu o caso. Além disso, nessa área onde houve o óbito suspeito, o Estado vem complementando essas atividades com um bloqueio químico utilizando os carros fumacê. Esses veículos estão atendendo aos bairros que são considerados de alta infestação e risco para surto/epidemia neste momento”, frisou.

Rosângela ressalta ainda a importância da população na eliminação dos criadouros do mosquito.

“Estamos pedindo à população que se considere parte fundamental na luta no combate ao Aedes, que todos os dias busquem limpar os seus quintais organizando o lixo adequadamente para coleta, evitando jogar lixo em terrenos baldios, e que recebam os agentes de endemias em suas residências”, completou.

Ela também lembra que, em caso de sintomas, é fundamental que as pessoas procurem o serviço de saúde para realização da notificação de caso.

“Todo aquele que sinta os sinais clássicos, como dor de cabeça, dores no corpo e nas articulações e manchas avermelhadas pelo corpo que busquem os serviços de saúde, para que tenha um atendimento adequado para o tratamento oportuno, para que assim a gente evite os casos graves e óbitos”, concluiu.

Escrito por Minervaldo Lopes